terça-feira, maio 12, 2009

Em Paris, pour épater le bourgeois

Fazendo um ponto de situação do que tende a resistir à situação, ou falando para lá da manha burguesa do simples lucro e da fugaz vaidade, fale-se…
…Fala-se então de uma conferência, de uma guerra de nervos para nos mostrar que estamos vivos, da culpa por todo o restante trabalho que se deixa para trás. Fala-se também do poder de insinuação que esta cidade continua a ter em nós, na sua insolência tão particular, tão elegante e tão enérgica.

Falamos de sorrisos, do gosto nocturno da cerveja, de uma gota de sangue deixada algures em Montparnasse... Falamos da necessidade de ver a urbe do avesso, de percorrer galerias de caveiras, fazendo das tripas coração para lhe chegar ao nervo e ao osso.

Falamos de uma das minhas cidades segundas e do acolhimento tão generoso de dois dos meus primeiros.

Falamos de uma janela iluminada, na Rue Raymond Losserand, que a torre do sr. Gustave não deixa de afagar com o seu longo braço de luz.

Fala-se em partir de madrugada, silenciosamente, para retomar o tempo desde o seu puro começo… E seguir adiante.

Bref!

5 Comments:

Blogger _E se eu fosse puta...Tu lias?_ said...

Sarava!

Uau..... estou mesmo invejosa!

beijinhos

4:58 da tarde  
Blogger Amil Neila said...

Ha, foi só uma gota? Se eu soubesse não tinha pedalado de volta ao cemitério. HoooOoOow, spooky...
Gostei de te ter por cá, Filósof, volta sempre.

8:57 da tarde  
Blogger Taxi Driver said...

Fónix, esta é para encaixilhar e meter à entrada de casa! O prazer foi todo nosso proféssor! :)

10:19 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Tá ai o Tito Paris!!!

2:39 da tarde  
Blogger küsse said...

We'll always have Paris...

1:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home


referer referrer referers referrers http_referer